Apresentando Gravity

Artigo escrito por Sasha Ivanov, fundador da Waves.

A tecnologia Blockchain fornece um método para tornar os dados imutáveis, e com isso eu quero dizer ” escreve-los em pedra”, por assim dizer, torná-los resilientes às tentativas de alterá-los ou forjá-los. Note-se que os dados podem ser qualquer coisa, não precisam ser transações de pagamento, já que existem muitos casos de uso para a tecnologia blockchain agora, eles foram além do que simples pagamentos. Você também pode precisar de alguns dados para executar seu contrato inteligente (código em execução no blockchain).

As coisas são mais simples quando os dados vêm da blockchain, por exemplo, com o Bitcoin, os dados são principalmente transações de pagamento. As blockchains são conectadas para trabalhar com esses dados de forma nativa, o que eles fazem é sincronizá-los em muitos nós da rede por meio do chamado algoritmo de consenso, específico para uma blockchain específica.

Mas e se precisarmos enviar ou receber dados externos à nossa blockchain, por exemplo, alguns dados financeiros do “mundo real” ou mesmo alguns dados de outra blockchain?

Então nós temos um problema. Para usar alguns dados externos, todos os nós da blockchain devem chegar a um consenso sobre seu valor exato primeiro. Mas eles não têm como verificar se esses dados externos não são falsos ou foram adulterados. Portanto, todos os nós da blockchain precisam concordar em usar um valor específico (já que, afinal, deve haver consenso entre os nós).

Uma entidade que fornece valor externo ao nó da blockchain é geralmente chamada de Oracle. É um agente no qual os nós devem confiar, pois não têm conexão direta com o mundo externo.

O que poderia ser esse agente? Se abordarmos isso de uma maneira ingênua, apenas permitiremos que uma fonte confiável coloque seus dados na blockchain, por exemplo, uma exchange de criptomoedas postando seus dados de negociação. Mas o que acontece quando esse agente confiável é comprometido ou quebrado de alguma forma? Por exemplo, exchanges de criptomoedas são invadidas com bastante frequência. A publicação de taxas incorretas pode resultar em grandes perdas para aplicativos DeFi que dependem deste dados.

Então a verdadeira questão é em quem você pode confiar? Como a tecnologia blockchain nos mostrou, é melhor confiar em um consenso, não em um único ator. Precisamos criar uma rede que chegue a um consenso sobre os dados e que possa ser confiável para todos os fins práticos.

Esse tipo de consenso requer um protocolo e requer uma rede real sendo executada nele. Também requer incentivos econômicos para seus participantes operarem.

Imediatamente nos deparamos com um dilema – se nosso objetivo é criar uma nova camada para a interação das blockchains, ela deve ser verdadeiramente agnóstica, ou seja, não deve favorecer nenhum blockchain ou impor qualquer nova economia nas blockchains participantes. A nova economia de rede deve ser altruísta de certa forma. Ele não tenta criar um novo valor, usa o valor bloqueado nas blockchains com as quais trabalha. Isso significa, por exemplo, que a rede não pode ter seu próprio token nativo.

Como resultado, criamos um novo protocolo, chamado Gravity. Isso conecta todas as blockchains participantes e o mundo externo e funciona usando os tokens nativos das blockchains participantes existentes. Para se tornar um membro da rede Gravity, você precisa bloquear uma certa quantidade de tokens nativos da chain para os quais fornecerá os dados. Os usuários da chain específica pagam pelo fornecimento de dados, em um modelo de pagamento conforme o uso ou por assinatura, e os rendimentos são compartilhados entre todos os nós do Gravity.

Além disso, o protocolo interno de consenso em Gravity garante que os lucros sejam distribuídos corretamente, com base na qualidade dos dados que os nós forneceram e em sua entrada total. Existe uma chain interna usada para armazenar as provas imutáveis da atividade dos nós.

A rede se assemelha efetivamente a uma rede PoW (prova de trabalho), na qual os mineradores fornecem seu poder de computação em troca de bônus de mineração em bloco. A única diferença aqui é que os nós Gravity fornecem dados e são pagos por isso, nas moedas “estabelecidas” das chains com as quais trabalham.

Podemos dizer que o Gravity cria um valor agregado para as blockchains, aumentando sua usabilidade através da interconectividade e fornecimento de dados. Foi por isso que decidi iniciar esse projeto na Waves – queremos criar uma solução verdadeiramente agnóstica com a qual todos possam lucrar, e também lucraremos com isso. Sendo uma das chains fundadoras, a Waves provavelmente experimentará o impacto mais impressionante, pois fornecerá seus tokens como garantia em primeiro lugar.

Parte dos lucros dos nós será alocada para a futura governança da plataforma por meio de mecanismos semelhantes a DAO. A economia da rede garante sua rentabilidade no curto prazo e sustentabilidade no longo prazo.

Eu acredito que esta é a primeira tentativa de criar uma rede verdadeiramente agnóstica, estando na verdade “no meio” de diferentes chains, sem preconceitos e favoritismos. Ele não possui seu próprio token, mas possui mecânica de monetização.“, por Sasha Ivanov

Saiba mais sobre o Gravity Hub aqui: https://gravity.tech/

Artigo publicado originalmente em https://medium.com/wavesprotocol/introducing-gravity-e9e371cbf4fb

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.